• Marina de Almeida Barbosa

Óleo de cozinha e poluição ambiental

O óleo de cozinha, item presente no nosso dia a dia pode ser um vilão do meio ambiente, você sabe por que? O Óleo usado em residências e estabelecimentos comerciais acaba sendo jogado no ralo da pia após seu uso, o que acaba desencadeando diversos processos que causam a poluição das águas, solo e atmosfera, além de problemas como enchentes e disseminação de doenças. Gerando perdas econômicos e ambientais e afetando a sociedade. Cada litro de óleo de cozinha usado pode poluir cerca de 1 milhão de litros de água que é aproximadamente a quantidade de água que uma pessoa consome em 14 anos.

O óleo de cozinha é uma mistura de ácidos graxos insaturados que são insolúveis em água, assim, sempre que o óleo entra em contato com água, não ocorre a sua dissolução e eles ficam separados. Como o óleo tem densidade menor do que a água, ele fica sobre a água formando uma película que pode causar diversos problemas ambientais.


Ao ser despejado na pia o óleo usado passa pelos canos da rede de esgoto e vai sendo retirado lentamente em forma de gordura, atraindo diversas pragas como os ratos, muitas dessas pragas podem causar doenças em humanos e animais, como a leptospirose no caso do rato. Além disso a gordura dos encanamentos dificulta a passagem da água e pode causar extravasamento e entupimento na rede de esgoto. Para desentupir essas vias e desintegrar as placas de gordura é necessária a utilização de produtos químicos que são poluentes, causando degradação do meio ambiente.


Quando o óleo chega com a água nas estações de tratamento de esgoto, uma parte é tratada, demandando um alto custo, e a parte restante não é totalmente tratada e acaba sendo dispensado em rios e mananciais aquáticos. Como o óleo é menos denso que a água, ele fica boiando na superfície aquática impedindo a entrada de luz e oxigênio e causando a morte do fitoplâncton (algas microscópicas que vivem em rios e mares e que produzem oxigênio) que utiliza a luz para realizar fotossíntese. Isso pode causar sérias consequências para a cadeia alimentar, uma vez que o fitoplâncton serve de alimento para várias espécies de peixes e pequenos crustáceos.


O óleo dos mananciais hídricos também causa poluição da atmosfera, pois o fitoplâncton também é um importante agente produtor de oxigênio, assim uma diminuição de sua produção aumenta a porcentagem do gás carbônico, um gás do efeito estufa na atmosfera. Na decomposição do óleo também há a produção de outro gás do efeito estufa, o gás metano. Dessa maneira o óleo causa indiretamente a produção de gases do efeito estufa, que podem, entre outras coisas, aumentar o problema do aquecimento global.


A medida que o óleo chega ao solo, pelas margens dos mananciais ou pelos lixões, ele é absorvido pelas plantas, causando diversos danos às estruturas das mesmas, além disso afeta o metabolismo das bactérias e outros micro-organismos que fazem a deterioração de compostos orgânicos em nutrientes para o solo. Com a infiltração no solo, o óleo de cozinha também polui os lençóis freáticos e torna o solo impermeável, contribuindo para as enchentes.


Para impedir todos esses problemas é necessário descartar adequadamente o óleo ou reutiliza-lo, como por exemplo na fabricação de sabão artesanal. Não descarte seu óleo nas pias ou no luxo, guarde-o em recipientes fechados e procure na sua cidade locais que recolham esse óleo usado, outra alternativa é doá-lo para organizações que utilizam desse material para fabricação de biodiesel, sabões, tintas a óleo entre outros produtos.


Pequenas atitudes causam um grande impacto no meio ambiente. Descarte ou reutilize seu óleo de cozinha adequadamente e informe seus amigos e familiares dos malefícios do óleo para o meio ambiente e da importância do descarte correto. Proteger o meio ambiente é proteger o nosso futuro!


Equilibre Ambiental – Conheça, valorize, preserve!

Rua Prefeito Tigre Maia, 18, sala 202

Bairro Centro, Itajubá, MG, 37500-019

(35) 3622 2837

(35) 9 8879 7816

©2018 por Equilibre Ambiental